Vol. 8 No. 2 (2021): Maria Montessori, her times and our years. History, vitality and perspectives of an innovative pedagogy
Non-Monographic Section Articles

Promise and devotion: catholicism and Girl Guides in Brazil

Alexandra Lima Da Silva
UERJ Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Evelyn de Almeida Orlando
PUC-PR Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Published December 1, 2021
Keywords
  • Girl Guides movement,
  • female association,
  • catholic church,
  • Brazil
How to Cite
Lima Da Silva, A., & de Almeida Orlando, E. (2021). Promise and devotion: catholicism and Girl Guides in Brazil. Rivista Di Storia dell’Educazione, 8(2), 145-153. https://doi.org/10.36253/rse-10519

Abstract

This paper attempts to analyze the main justifications for the expansion of Girl Guides in Brazil, a movement that featured a strong expression of female association, a tactic mobilized by certain female Catholic intellectuals to legitimize their circulation in the public space. It indicates education, culture and assistance as important fronts, in a group of actions aimed at securing the Catholic foundations of Brazilian society. Although the elementary principle of Girl Guides wasn’t connected to any one religion or belief, it’s possible to assess that the movement in Brazil was strongly intertwined with a religious and moral discourse in the form of the “good Girl Guide”, who should be pious and devoted to her promise of serving God and country, with clearly Catholic roots.

References

BASSANEZI, Carla. Virando as páginas, revendo as mulheres: revistas femininas e relações homem-mulher, 1945-1964. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. O bello sexo: a imprensa, identidade feminina no Rio de Janeiro em fins do século XIX e início do século XX. 1988. 268 f. Dissertation (Master’s Degree in Social Anthropology) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,1988.

BRITO, Daiane; SILVA, Alexandra Lima da. Em correspondência: vozes femininas na revista Bandeirantes. In: Ana Chrystina Mignot (Ed.). A ilusão do leitor: cartas, imprensa e educação. Curitiba: CRV, 2018, v. 1, p. 121-142.

CARVALHO, Samara dos Santos. A Federação das Bandeirantes no limiar dos anos sessenta: uma proposta de emancipação da mulher? 2013. 84 f. Undergraduate Thesis (Social Sciences) – Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Marília, 2013.

CARVALHO, Samara dos Santos. O Movimento Bandeirante e as relações de gênero no contexto social brasileiro do século XX. 2014. Dissertation (Master’s Degree in Social Sciences) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, 2014.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Translated by Reginaldo de Moraes, São Paulo: UNESP; Imprensa Oficial do Estado, 1998.

CHRISTIAN, Catherine. The big test: the story of the girl guides in the World War. Girl Guides Association, 1947.

FELLINI, Mariella. O movimento bandeirante entre tensões e contradições: a reformulação institucional de 1968. 2017. Dissertation (Master’s Degree in Education) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2017.

FREIRE, Maria Martha de Luna. Mulheres, mães e médicos: discurso maternalista em revistas femininas (Rio de Janeiro e São Paulo, década de 1920). 2006. Thesis (Doctorate) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2006.

HAMPTON, Janie. How the Girl Guides Won the War. HarperCollins Publishers, 2011.

HEROLD JUNIOR, Carlos; FERNANDEZ VAZ, Alexandre. A educação corporal em Baden-Powell: o movimento escoteiro contra o intelectualismo escolar.
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 47, p. 166-184, sept. 2012.
MACHADO JÚNIOR, Cláudio de Sá. Fotografias e códigos culturais: representações da sociabilidade carioca pelas imagens da revista Careta (1919-1922). 2006. 145 f. Dissertation (Master’s Degree in History) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.
MARTINS, Ana Luiza. Revistas em Revista: Imprensa e Práticas Culturais em Tempos de República, São Paulo (1890-1922). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; FAPESP; Imprensa Oficial do Estado, 2001.

MARTINS, Ana Paula Vosne. Itinerários do associativismo feminino no Brasil: uma história do silêncio. Delaware Review of Latin American Studies, v. 17, n. 2, November 14, 2016.
MOTTA, Maria Inez F. Bandeirantismo no Brasil: um estudo de caso sobre mulher e modernidade. 1988. Dissertation (Master’s Degree in Social Anthropology) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1988.
NASCIMENTO, Jorge Carvalho do. A escola de Baden-Powell: cultura escoteira, associação voluntária e escotismo de estado no Brasil. Rio de Janeiro: Imago, 2008.
ORLANDO, Evelyn de Almeida. Educar-se para educar: o projeto pedagógico do monsenhor Álvaro Negromonte dirigido a professoras e famílias através de impressos (1936-1964). 2013. 360f. Thesis (Doctorate in Education) – Programa de Pós-Graduação em Educação, UERJ, Rio de Janeiro, 2013.

RODRIGUES, Lúcia Maria Santos. Movimento Bandeirante no Brasil: uma Luta Social de Gênero, Rio de Janeiro: S/E, 2016.

SGARBI, Antônio Donizetti. Bibliotecas Pedagógicas Católicas: estratégias para construir uma civilização cristã e conformar o campo pedagógico através do impresso (1929-1938). 2001. Thesis (Doctorate in Education) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2001.

SGARBI, Antônio Donizetti. Igreja, educação e modernidade na década de 30: escolanovismo católico construído na CCBE divulgado pela Revista Brasileira de Pedagogia. 1997. Dissertation (Master’s Degree in Education) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1997.

SILVA, Alexandra Lima. Lado a lado: marcas católicas do Bandeirantismo no Brasil. Revista História da Educação, v. 21, n. 52, maio/ago. 2017.

SIRINELLI, Jean-François. Interview conducted by Marieta de Moraes Ferreira in Rio de Janeiro, November 5th 2012. Trasncribed by: Charlotte Riom. Translated by: Anne Marie Milon. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 33, n. 65, p. 407-412, 2013.

SIRINELLI, Jean-François. As Elites Culturais. In: SIRINELLI, Jean-François. Para uma História Cultural. Lisboa, Estampa, 1998. p.259-279.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (Ed.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

SOIHET, Rachel. Feminismos e antifeminismos: mulheres e suas lutas pela conquista da cidadania plena. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

Fontes

AS BANDEIRANTES festejam 40 anos de fundação do movimento no país. Correio da Manhã, 13/08/1959, p. 2.

ATAHYDE, Maria José Q. A. de. O bandeirantismo e sua história no Brasil. Correio da Manhã, 23/04/1957, p. 16.

BAHIANA, Rosita Sampaio. O movimento bandeirante, sua organização e propaganda no Brasil. Bandeirantes, October 1933, p. 46.

MIRANDA, Gilda Rocha. Congresso Eucarístico de Santana. Bandeirantes, May 1933, p. 3.

Bandeirantes, 1933, p. 23.
Bandeirantes, April 1933, p. 21.
Bandeirantes, May 1933, p. 18.
Bandeirantes, June 1933, p. 28
Bandeirantes, Aug./Sept. 1933, p. 3.
Bandeirantes, Aug./Sept. 1933, p. 9.
Bandeirantes, June 1945, p. 159.
Bandeirantes, June and August 1945, p. 1
Bandeirantes, 1946, p. 1. Epigraph