A instituição educativa na modernização do local. Perspectiva histórico-pedagógica

  • Justino Magalhães Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
##plugins.pubIds.doi.readerDisplayName## https://doi.org/10.4454/rse.v5i1.130

Abstract

Processo (in)formativo, a educação envolve heteronomia na ideação, alteridade na concretização, subjectivação na apropriação. Ideada no global, acontece no sujeito e ganha forma e significado no local. No plano histórico, o local educativo formal pode assumir as configurações de instituição, município, biografia. O educacional integra e constitui o local, o local evoluiu por força do educacional. Admitindo diferentes configurações, foi como instituição-escola que a instituição educativa se tornou transformadora do local. Transformando-se e evoluindo, a escola transformou o local. Se, pelas descrições de Adolphe Ferrière e no conjunto dos 30 Princípios da Convenção das Escolas Novas por ele sistematizados, os 8 primeiros reportam ao local da Escola e uma parte dos seguintes à disposição dos espaços e à configuração arquitectónica, a verdade é que as Escolas Novas reordenavam a topografia, influenciavam a economia e a cultura, geravam uma etnocultura, modelavam os comportamentos, legavam uma memória. E se isto sucedia num quadro pedagógico circunscrito e de intensa internalidade, como era o das Escolas Novas, fundamental será concluir que as interacções eram bem mais intensas em quadros escolares orientados para o exterior – assim os regimentais, os confessionais, os profissionais, ou em quadros abertos, nomeadamente os inspirados em John Dewey ou, posteriormente, em Paulo Freire. A instituição-escola é um pilar da Modernidade e meio de modernização. As sociedades, as religiões e as confederações confessionais (laicas ou religiosas), as entidades locais, os próprios sujeitos integraram a escola nos destinos de vida e nos quotidianos. A estruturalidade do modelo aliada à versatilidade dos meios, à plasticidade dos conteúdos e à racionalidade dos intervenientes potencializaram as valências e as aquisições escolares.


O ensejo deste texto é combinar estas linhas de conjunto com alguns estudos de caso, incluindo, nesta observação, diferentes tempos, diferentes espaços geográficos, diferentes graus de ensino. A instituição-escolar é materialidade, representação, apropriação e, por consequência, é meio, processo, organização, memória. Assim instituída, sendo local e meio educativo total, prolongando-se no tempo e nas identidades dos sujeitos, a escola assume o estatuto de instituição-educação. Será apresentado um quadro histórico-pedagógico sobre a constituição, especificidade, evolução, mundialização da escola-instituição no longo curso da Modernidade. Será ensaiado um labor epistémico de meta-instituição, dando curso a uma dialéctica instituído-instituinte-instituição, de interacção e transformação no binómio escola-local. Tal abordagem incidirá no plano teórico e tomará como referência estudos de caso colhidos na história das instituições educativas, particularmente em Portugal e Brasil. Para Portugal, é objectivo sistematizar uma abordagem focada no local educativo como objecto epistémico multidisciplinar e como ordenador de uma perspectiva histórico-pedagógica centrada na escola-instituição. Para o Brasil, serão reunidos alguns estudos sobre movimentos confessionais e quadros desenvolvimentistas que tomaram a escola-instituição como meio. Há casos em que uma mesma entidade fundou uma escola elementar, que evoluiu para uma escola de ensino secundário e para uma escola profissional ou de ensino médio. E tal ocorreu num imediatismo e numa progressão instituinte que serviram uma mesma geração de alunos.


Sistematizando, o texto incide sobre um tempo longo, que se prolonga entre Oitocentos e a Contemporaneidade, cruzando diferentes espaços, ainda que com maior incidência em Portugal e Brasil. Será desenvolvida uma perspectiva centrada na instituição-escola, sua singularidade e sua influência na instituição e na evolução do local educativo. Será privilegiada uma perspectiva histórico-pedagógica, ainda que o texto contenha necessariamente uma interdisciplinaridade e uma multifactorialidade.

Pubblicato
2018-06-09
Come citare
MAGALHÃES, Justino. A instituição educativa na modernização do local. Perspectiva histórico-pedagógica. Rivista di Storia dell‘Educazione, [S.l.], v. 5, n. 1, giu. 2018. ISSN 2384-8294. Disponibile all'indirizzo: <https://rivistadistoriadelleducazione.it/index.php/RSE/article/view/130>. Data di accesso: 16 lug. 2018 doi: https://doi.org/10.4454/rse.v5i1.130.
Sezione
Dossier monografico